15 de Dezembro de 2017 - Rodrigo Cézar Limeira - (1307 acessos) Comentário

Estudioso diz que a crise hídrica deve continuar no semiárido da Paraíba nos próximos 45 dias

De acordo com o físico e meteorologista Rodrigo Cézar Limeira, até pelo menos o dia 31 de janeiro, a situação dos grandes reservatórios que abastecem as cidades do semiárido da Paraíba, deve se manter crítica. De acordo com o pesquisador, as condições do Oceano Atlântico Sul na altura da costa do nordeste, estão ruins agora em dezembro, e devem permanecer dessa forma, até pelo menos o final do mês de janeiro. 

 

O citado oceano está com temperatura abaixo do normal para a época, além disso, com a La Niña fraca, as perspectivas não são das melhores para o semiárido do estado, já que é necessário muita chuva na região em 2018, principalmente para armazenar muita água nos grandes reservatórios que abascetem as cidades do cariri, sertão e alto-sertão.

 

Vórtices Ciclônicos estão atuando no semiárido, mas não estão favorecendo a ocorrência de chuvas. 

 

Com a La Niña fraca, entra pouca umidade oriunda das frentes que atuam essa época no sul da Bahia, no interior da Paraíba. Com isso a chuva fica sendo apenas isolada, afirma o estudioso, se a La Niña fosse moderada ou forte, a advecção de umidade seria maior no interior do estado, com isso poderiamos ter chuvas volumosas já agora em dezembro, algo que não deve acontecer em muitas localidades, e ficamos mais uma vez observando as chuvas cairem em poucas localidades no cariri, sertão e alto-sertão pontua.

 

O papel dos VCANS (Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis), seria de transportar parte dessa umidade, do sul da Bahia para o interior da Paraíba, no entanto, os VCANS que estão ocorrendo nesse final de ano sobre o nordeste, também não estão colaborando, pois em média estão se posicionando de forma a transportar pouca umidade para o interior do estado. 

 

Ou seja, pontua o físico e meteorologista Rodrigo Cézar Limeira: com uma La Niña fraca neste final de 2017, e VCANS em posições desfavoráveis para transporte de umidade para o interior do estado, o saldo é de pouca chuva, muito calor, muita evaporação e continuidade da crise hídrica no semiárido da Paraíba em dezembro.

 

Em janeiro o estudioso prevê chuvas no interior da Paraíba, mas ainda num padrão muito irregular, e de forma mal distribuída. Em alguns locais poderá chover até acima da média, mas com a grande irregularidade das chuvas no citado mês, a crise hídrica que atinge quase todos os grandes açudes do interior paraíbano vai continuar.

 

 

Social:

19 de Janeiro de 2018

Publicidade

Visitas até o momento