10 de Maio de 2022 - Portal Ciência em Foco - (1057 acessos) Comentário

56 açudes que abastecem cidades do interior da PB têm menos de 20% de suas capacidades atualmente de acordo com dados oficiais

O período chuvoso do semiárido do Estado em 2022 foi muito irregular e com pouca recarga hídrica na maioria dos grandes açudes que abastecem cidades do Cariri, Sertão e Altossertão da PB, tal fato vem confirmando as previsões realizadas pelo físico, meteorologista e mestre em Meteorologia Rodrigo Cézar.

 

De acordo com dados oficiais do governo do Estado, o período chuvoso começou com 59 açudes que abastecem cidades do interior paraibano com menos de 20% de suas capacidades, agora em maio, bem no final do período chuvoso da região semiárida da PB, 56 açudes permanecem com pouca água. Destes 56 reservatórios, 29 têm menos de 5% de suas capacidades, e outros 27 têm entre 5% e 20% de suas capacidades atualmente. Esses dados comprovam que houve no geral, pouquíssima recuperação hídrica da grande maioria desses açudes em decorrência da estação chuvosa de 2022.

 

Graças ao período chuvoso de 2020, acima da média, o Estado não mergulhou num caus hídrico

 

2020 representou a salvação hídrica do semiárido paraibano pontua o físico e meteorologista Rodrigo Cézar, foi naquele ano que o principal manancial de água do Estado, o Complexo Coremas/Mãe d’ Água teve sua maior recarga desde 2009, aproximadamente 640 milhões de metros cúbicos de água, que representou uma recarga de aproximadamente 55% em seu volume, quando começou o período chuvoso daquele ano ele tinha apenas 5% de seu volume total, ou seja, estava praticamente seco. Quando terminou o período chuvoso de 2020, o citado manancial tinha 60% de sua capacidade. Além de mencionado reservatório, as recargas hídricas no citado ano foram generosas e em quase todos os grandes açudes do interior da PB, algo que representou um alívio devido ao fim da seca hídrica na maioria dos grandes açudes do semiárido paraibano, crise que se arrastava desde 2012. Em 2022 o referido reservatório teve uma recarga razoável e de aproximadamente 227 milhões de metros cúbicos de água, ou aproximadamente 18% de seu volume total, em 2021 a recarga foi pequena, e de apenas 71 milhões de metros cúbicos.

 

2021 e 2022 Acendem novamente o sinal de alerta

 

As previsões de pouca recarga hídrica na maioria dos grandes açudes em 2021 e 2022, feitas pelo físico e meteorologista Rodrigo Cézar Limeira foram corretas, com isso nós chegamos ao final do período chuvoso de 2022 com reservatórios importantes como Açude Cachoeira dos Cegos, Capoeira, Engenheiro Arcoverde e Capivara com água em grande parte armazenada do período chuvoso de 2020, e até reservatórios que não são grandes, mas que têm uma história na região como Jatobá e Farinha e que praticamente não tiveram recarga hídrica nesses últimos dois anos. Reservatórios como o Açude que abastece São Mamede, não tiveram praticamente nenhuma recarga em 2022, e está atualmente com apenas 1,78% de seu volume, o que abastece Santa Luzia está atualmente com apenas 1,99% de sua capacidade, ambos estão praticamente secos de acordo com os Dados oficiais do governo da Paraíba. Lembrando que quase todos os açudes que abastecem cidades do semiárido da Paraibano tiveram grandes recargas em 2020, inclusive os dois reservatórios citados acima, assim como não tiveram recargas significativas em 2021 e 2022 secaram novamente. Dessa forma o estudioso Rodrigo Cézar Limeira aconselha as pessoas da região a usarem sempre a água de forma racional, evitando o desperdício.

 

 

Portal Ciência em Foco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Social:

18 de Maio de 2022



Publicidade

Visitas até o momento